Make your own free website on Tripod.com

UM MUNDO DE CINEMA, MÚSICA, TV E BANDA DESENHADA

Posters Tamanho Grande // Miniposters // Posters Originais Cinema // Fotografias 15x10cm // Fotografias 25x20cm// Photosets // Postais // Autocolantes // Pins // Portachaves// Livros de/e Sobre Cinema // Banda Desenhada

Bem vindo à nossa base de dados de filmes

FILMES

FALA COM ELA

Título Original: Hable con ella

Ano: 2002

País: Espanha

Realizador: Pedro Almodóvar

    Actores:

  • Leonor Watling (Alicia)

  • Darío Grandinetti (Marco)

  • Javier Cámara (Benigno)

  • Fele Martínez

  • Geraldine Chaplin (Katerina)

  • Rosario Flores (Lydia)

  • Roberto Alvárez

  • Elena Anaya

  • Lola Dueñas

  • Adolfo Fernández

  • Ana Fernández

  • Chus Lampreave

  • Loles León

  • Helio Pedregal

  • José Sancho

  • Paz Veja

  • Argumento: Pedro Almodóvar

  • Produtor Executivo: Agustín Almodóvar

  • Director de Produção: Esther García

  • Director de Fotografia: Javier Aguirresarobe A.E.C.

  • Montagem: José Salcedo

  • Música: Alberto Iglesias

  • Coreografia: "Masurca Fogo" e "Café Müller" Pina Bausch

  • Director Artístico: Antxon Gómez

  • Data de Estreia: 31-05-2002

    Minutos: 112

    Resumo:

    FALA COM ELA foi inspirado em vários acontecimentos reais que aconteceram nos últimos dez anos e que eu fui anotando. 1: Uma mulher americana despertava do coma depois de 16 anos. Segundo os médicos o seu estado era irreversível... Impressionou-me muito ver a fotografia da mulher no "El País", apoiada em duas enfermeiras, aprendendo a caminhar de novo... O seu acordar contradiz tudo o que a ciência afirma a esse respeito. 2: Na Roménia, o jovem guarda-nocturno de uma morgue sente-se atraído por uma jovem. A solidão da morte somada à solidão da noite dava como resultado "demasiada solidão", o jovem guarda cede ao impulso dos seus desejos e possui a bela defunta. O que ocorre depois é um desses milagres da natureza humana a que acho que o Papa não deve achar graça nenhuma... Como reacção ao acosso amoroso, a morta desperta para a vida... A jovem sofria de uma doença tipo catalepsia e a sua morte era apenas aparente. (Não fui o único a apontar este acontecimento, em França há dois anos fizeram um filme inspirado nisto). Apesar da família da ressuscitada se mostrar agradecida ao violador não puderam evitar que o metessem na prisão. Levavam-lhe pacotes com comida e arranjaram-lhe um advogado. O insólito da situação provocou um curioso dilema: para a justiça o rapaz era um simples violador, mas para a família, que vivia a realidade segundo os seus sentimentos, o rapaz tinha devolvido a vida à sua filha. A notícia foi totalmente aproveitada, toda ela me inspirou, incluindo o "dilema moral", que também aparece em FALA COM ELA... 3: Em Nova Iorque uma rapariga que está em coma há nove anos fica grávida (sem despertar do coma, não sei o que aconteceu ao dar à luz). Depois de poucos dias descobrem que o culpado foi um homem da clínica. A questão é: como é que um corpo clinicamente morto (a morte é determinada pelo cérebro) pode dar vida...? 4. Acho que foi Cocteau que disse que a "beleza" pode ser dolorosa. Acho que devia referir-se à beleza das pessoas, eu acredito que as situações que têm momentos de beleza inesperados e extraordinários podem fazer-te saltar as lágrimas, lágrimas que parecem mais de dor que de prazer. Lágrimas que ocupam nos nossos olhos o lugar dos ausentes. 5. Desde que vi "The Devil Doll [de Tod Browning]" e "The Incredible Shrinking Man [de Jack Arnold]" que sonho fazer um filme com um ser diminuto onde os pés dos móveis e a orografia do solo tivessem um estatuto de cenário principal. De facto já tinha escrito uma história deste tipo. Todos estes acontecimentos e a recordação de um amor, partido quando ainda estava vivo, inspiraram o argumento de FALA COM ELA.

    Pedro Almodóvar



      Critícas dos visitantes do Site:





      Título do filme Nome do crítico Cidade Data da Crítica
      Fala Com Ela Rui Manuel da Silva Ribeiro Riba de Ave 11/16/2002

      “Fala com Ela” Pedro Almodovar, já há muito tempo que não tem que mostrar quanto vale, pois a sua carreira fala por si, contudo, em cada novo filme, cria-se sempre a expectativa de ver até onde este endiabrado realizador do país vizinho consegue ir. Este “Fala com ela”, não deixa de ser um filme há Almodovar, contudo, qualquer filme depois da obra prima de um autor, tem sempre a árdua tarefa de o substituir. A verdade é que o filme anterior a este (“Tudo sobre a minha mãe”), chocou meio mundo, porque o outro meio provavelmente não o viu, e esse choque tão característico na sua obra, capultou-o definitivamente a nível internacional, obrigando inclusivamente Holliwood a render-se ao seu encanto. Habituado a ser chocado pelos filmes de Almodovar, pela frieza das suas imagens, pela crueza das histórias, dos argumentos e diálogos, ao ver “Fala com ela”, fico com a sensação estranha de que este filme, foi uma incursão num campo muito delicado, bastante perverso, mas de uma forma bastante eficaz, no entanto sem todo o “kitch” a que nos habituou. É apenas uma história sublimente apresentada com a sua perversidade intrínseca. Neste filme, Almodovar continua a explorar as relações amorosas, contudo de uma perversidade tal, (chocante), mas com um toque tão particular que nos leva a gostar disso. Soa a esquisito? Pois é verdade. Dizer-se que se cria afecto por alguém que engravida uma bela bailarina que está em coma, indefesa... humm!!! A perversidade não está em mim, nem talvez em Almodovar, talvez esteja na nossa sociedade, nos nossos afectos, no que deles esperamos, no que é normal, habitual, ...Ver “Fala com ela” é viver a experiência da beleza de uma relação pura de amor, é viver a sensação de que, saímos com do cinema com as ideias baralhas, um nó na garganta, um soco no estômago..... É ESTRANHO, MUITO ESTRANHO!!! Imagine uma..., duas histórias amorosas que se cruzam e cujo denominador comum, são duas mulheres em coma e o que cada um dos homens mais próximos das mesmas, vai “Falar com ela”. Porventura o filme mais estranho de Almodovar, e só não será a sua obra prima, porque até ver, melhor que “Todo sobre mi madre”, é deverás complicado, mas ele promete, e dentro em breve teremos mais um filme “kitch” e burlesco de Pedro Almodovar.





      Título do filme Nome do crítico Cidade Data da Crítica
      Fala Com Ela João Pedro Machado Ermesinde 9/28/2002

      “FALA COM ELA”, de Pedro Almodóvar CLASSIFICAÇÃO: **** (Muito Bom) Estava a ser um filme perfeito, até ao momento em que Benigno é preso; a partir daí, “Fala Com Ela” perde qualidades, batendo no fundo na fraquíssima e pouco original solução final. Sou um fã do Almodóvar, em especial do Almodóvar “kitsch”, o que realizou as excelentes obras “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” e “Kika”. O Almodóvar que surgiu com “A Flor do Meu Segredo” é também, indiscutivelmente, um grande realizador, mas não, na minha opinião, igualmente genial... Sou dos que considera que a sua “vocação” é filmar o excessivo e não a contenção melodramática. Mas, além da realização repleta de bom-gosto e da montagem prodigiosa, há momentos fabulosos neste filme, dos quais destaco o delicioso e criativo “filme mudo”, também realizado pelo Almodóvar (pensei que só Buñuel fosse capaz de tal surrealismo...!) e que se conjuga perfeitamente com o restante filme.

      Esperamos a vossa colaboração





      VOLTAR CRÍTICAS DE FILMES

      VOLTAR PAG. INICIAL