Make your own free website on Tripod.com

UM MUNDO DE CINEMA, MÚSICA, TV E BANDA DESENHADA

Posters Tamanho Grande // Miniposters // Posters Originais Cinema // Fotografias 15x10cm // Fotografias 25x20cm// Photosets // Postais // Autocolantes // Pins // Portachaves// Livros de/e Sobre Cinema // Banda Desenhada

Bem vindo à nossa base de dados de filmes

FILMES

O FILHO

Título Original: Le Fils

Ano: 2000

País: Bélgica, França

Realizador: Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne

    Actores:

  • Olivier Gourmet

  • Morgan Marinne

  • Isabella Soupart

  • Rémy Renaud



  • Género: Drama

    Minutos: 103

    Resumo:

    Quem é este rapaz chamado Francis? Por que é que Olivier, que recusou recebê-lo na sua oficina de marcenaria, se dá ao trabalho de o perseguir nos corredores do centro de formação, nas ruas da cidade, no seu prédio? Por que será que se sente tão atraído por ele? Por que será que parece receá-lo tanto?



      Critícas dos visitantes do Site:





      Título do filme Nome do crítico Cidade Data da Crítica
      O Filho João Pedro Machado Ermesinde 13/02/2003

      “O FILHO”, de Luc e Jean-Pierre Dardenne

      CLASSIFICAÇÃO: ***** (Excelente)

      Esta é já a terceira longa-metragem “de ficção” realizada pelos irmãos Dardenne. O seu estilo denuncia o campo onde iniciaram a sua carreira de cineastas. De facto, tanto a nível da temática (que revela sempre preocupações sociais), como da abordagem técnica (câmara ao ombro, uso de actores não-profissionais) os seus filmes aproximam-se do universo do documentário. O resultado são obras hiper-realistas e incómodas. Em “A Promessa” (1996), o assunto era a imigração clandestina e a exploração a que são sujeitos aqueles imigrantes. Mas o filme que tornou conhecidos, mundialmente, os irmãos Dardenne foi “Rosetta” (1999), que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, uma atribuição que constituiu, na altura, uma enorme surpresa e que suscitou muitas vozes indignadas. Rosetta (numa interpretação inesquecível da estreante Emilie Dequenne, vencedora do prémio de melhor actriz no mesmo festival) era uma mulher-menina quase selvagem (a câmara foi, muitas vezes, incapaz de acompanhar os seus movimentos hiperactivos), e o filme foi um pretexto para os Dardenne abordarem a problemática do desemprego e das dificuldades de integração dos mais desfavorecidos. Três anos depois, eis que surge novo filme destes irmãos. “O Filho” é uma obra admirável! As primeiras imagens não deixam dúvidas: os Dardenne mantêm-se fiéis aos seu estilo. Somos colocados numa oficina de carpintaria e, durante alguns momentos, tudo o que nos é mostrado é a rotina daquela instituição que tem por função reintegrar delinquentes adolescentes, ensinando-lhes um ofício. Quando a funcionária administrativa propõe um novo aluno ao instrutor, ele recusa, alegando falta de vagas, mas começa a espiar aquele rapaz e a segui-lo... Porquê? A resposta é dada mais tarde, no desenrolar da história. Eu não vou revelá-la aqui, porque me parece que vale a pena descobri-la no filme, mas vou avisando que é uma surpresa arrepiante! Este filme perturbou-me muito! É desconcertante ver um ser humano ter aquela atitude (como lhe diz a ex-mulher, ninguém faria o que ele decide fazer...), mas a psique é um território extremamente complexo...! Questionei-me, enquanto assistia ao filme, se existiria um final verosímil para aquela história; não me ocorreu nenhum... Os irmãos Dardenne também preferem não dar uma conclusão e o filme termina de forma algo abrupta. É, contudo, um dos melhores finais de filme que já vi...!, porque transpira verdade por todos os poros! Olivier Gourmet, o actor principal, é magnífico e ganhou, merecidamente, o prémio de melhor actor na mais recente edição do Festival de Cannes.





      Esperamos a vossa colaboração





      VOLTAR CRÍTICAS DE FILMES

      VOLTAR PAG. INICIAL