Make your own free website on Tripod.com

UM MUNDO DE CINEMA, MÚSICA, TV E BANDA DESENHADA

Posters Tamanho Grande // Miniposters // Posters Originais Cinema // Fotografias 15x10cm // Fotografias 25x20cm// Photosets // Postais // Autocolantes // Pins // Portachaves// Livros de/e Sobre Cinema // Banda Desenhada

Bem vindo à nossa base de dados de filmes

FILMES

DANÇANDO EM LUGHNASA

Título Original: DANCING AT LUGHNASA

Ano: 1998

País: Irlanda

Realizador: PAT O'CONNOR

    Actores:

  • Kate Mundy MERYL STREEP

  • Padre Jack Mundy MICHAEL GAMBON

  • Christina Mundy CATHERINE MCCORMACK

  • Maggie Mundy KATHY BURKE

  • Rose Mundy SOPHIE THOMPSON

  • Agnes Mundy BRID BRENNAN

  • Gerry Evans RHYS IFANS

  • Michael Mundy DARRELL JOHNSTON



  • Argumento: FRANK MCGUINESS

  • baseado numa peça de: BRIAN FRIEL

  • Imagem: KENNETH MACMILLAN, BSC

  • Montagem: HUMPHREY DIXON

  • Guarda-Roupa: JOAN BERGIN

  • Cenário: MARK GERAGHTY

  • Casting: MARY SELWAY

  • Música: PATRICK DOYLE

  • Designer de Produção: MARK GERAGHTY

  • Produção: NOEL PEARSON; FERNDALE FILMS

  • Data de Estreia: 02-07-1999

    Minutos: 95

    Resumo:

    Os sonhos de uma família... O amor que a unia... O Verão que a mudou para sempre... No Verão de 1936, a Europa está à beira de mudanças violentas e terríveis. Em Ballybeg, a família Mundy refugia-se na sua pequena casa: cinco irmãs solteiras, um irmão e o filho de uma delas. Kate, a irmã mais velha e a professora local, rege-se por princípios muito severos e faz questão de manter uma aparência respeitável. Mas é uma mulher formidável e desempenha as funções de chefe de família. Apesar de temida, é muito amada pelas irmãs, especialmente por Maggie. Agnes faz luvas para complementar o magro orçamento familiar. É sossegada, recatada, com secretas reservas de coragem e uma adoração por Rose. Esta, simples e inocente, vive apavorada por ameaças que, no fundo, desconhece, porque não sabe o que é o perigo. Maggie, a "dona de casa", tem o coração enorme, benevolente, um sentido de humor malicioso e uma paixão selvagem pela vida. Christina, a mais nova, é a mãe solteira de Michael, filho ilegítimo mas muito amado. Christina oscila entre a disposição mais exuberante e a depressão mais profunda. Apaixonada pelo pai de Michael, Gerry Evans, escolheu não casar com ele, apesar dessa opção ter arruinado a sua reputação, desafiando a severa moralidade da sociedade em que vivem, e os rígidos princípios da irmã mais velha, que não se cansa de lho relembrar constantemente. Jack, mais velho que todas elas, é um padre missionário que regressou à Irlanda depois de muito tempo a trabalhar em África. A razão desse regresso permanece em segredo, mas a paixão que nutre pelo espírito daquele continente leva a hierarquia católica a questionar a sua vocação sacerdotal, o que escandaliza Kate. Um dia, o pai de Michael, Gerry, um vendedor ambulante, regressa para ver o filho, uma vez que está de partida para a guerra, em Espanha. Este regresso volta a despertar o amor que Christina nutre por ele, bem como a sexualidade reprimida das suas irmãs. E o paraíso que Ballybeg era fica para sempre alterado. À volta da esplendorosa fogueira de Lughnasa, despertam os afectos e as paixões de outros tempos. Estas mulheres de espírito independente, conhecem-se muito bem a si próprias, a sua fortaleza tanto física como emocional, projectada no frenesim da dança, a expressão plena das suas almas. Livres dos constrangimentos religiosos, sociais, económicos e sexuais, dançam pela casa e pelo jardim, e o seu território torna-se sagrado, iluminado pela graça em leveza dos seus corpos. É então que o significado de Lughnasa se torna claro. Lugh é o deus celta da luz e Lughnasa é o seu festival. A tradição na Irlanda mandava que se fizesse uma festa pagã das colheitas, uma dança ritual em redor dos lagos e dos montes, intercedendo pelas futuras plantações. E, à medida que a noite avançava e o fogo crescia, as pessoas davam azo aos seus instintos primitivos, dançando até de madrugada. A recordação desse Verão assombrará Michael para sempre, recordações de amor e perda, de mulheres a dançar, dançando como se as suas vidas dependessem dessa dança. Os papagaios de papel com que ele brinca, magnificamente decorados pela sua própria mão, são prenúncios do instinto artístico que mais tarde lhe permitirá contar a história da sua família e do destino que cada um deles enfrenta corajosamente.